segunda-feira, 7 de abril de 2008

PM nega veto ao Palestra e Palmeiras vai pressionar Federação
Paulo Amaral e Luiz Ricardo Fini

São Paulo (SP) - A informação de Marco Pólo Del Nero, presidente da Federação Paulista de Futebol, de que a cúpula da Polícia Militar teria vetado a utilização do estádio Palestra Itália para um dos jogos das semifinais do Paulistão entre Palmeiras e São Paulo, “sugerindo” as duas partidas no Morumbi, foi desmentida no início da noite desta segunda-feira pelo Tenente-Coronel Carlos Botelho Lourenço, comandante do 2º Batalhão de Choque da Polícia Militar.

“A Polícia Militar não vetou nenhum estádio, nada. Se o estádio está com a documentação em ordem e com ingressos dentro de sua capacidade, não temos motivos para vetá-lo. Temos é de fornecer a segurança, seja ele o Parque Antártica, o Morumbi, o Santa Cruz ou o Teixeirão”, comentou Botelho, em entrevista por telefone para a Gazeta Esportiva.Net.

O único detalhe destacado por Botelho com relação à casa palmeirense foi em relação à divisão das torcidas. Para o comandante da PM, o Palestra Itália difere das outras praças cogitadas pelo Alviverde (Santa Cruz, em Ribeirão Preto, e Teixeirão, em Rio Preto), em um ponto que pode ser considerado essencial na análise da FPF.

“O Parque Antártica não pode ter divisão meio a meio. Há três entradas. A torcida do São Paulo teria de entrar pela rua Padre Antônio Tomás, e esse portão atende a um público de 2.500 torcedores”, comentou.

“Já o Morumbi permite a divisão de 36 mil para cada torcida, o que atenderia o público de forma mais adequada, mas a escolha compete à Federação. A Polícia tem a função de dar a segurança”, reforçou.

Curiosamente, segundo o Tenente-Coronel, o Palestra Itália tem condições de receber um número maior de torcedores do que o Santa Cruz, que é uma das opções da Federação. O estádio da capital tem condições de comportar 29 mil espectadores, enquanto o de Ribeirão Preto pode receber, no máximo, 28 mil. Já o Teixeirão, de São José do Rio Preto, passou por vistoria nesta segunda e sua capacidade ainda não foi divulgada.

As declarações do comandante da PM animaram a diretoria palmeirense. Gilberto Cipullo, vice-presidente de Futebol do Verdão, foi incisivo: “Entendo que essa decisão irá nos fortalecer no propósito de realizarmos o duelo decisivo na nossa casa. A Federação terá dois pareceres em mãos: o favorável da polícia e o desfavorável do Ministério Público. Caberá a ela decidir o que fazer”, comentou, também por telefone, à GE.Net.

Questionado sobre qual dos pareceres seria mais importante em sua visão, Cipullo não titubeou: “Acredito que o da Polícia Militar deva prevalecer, afinal, o órgão responsável pela segurança dos torcedores é a PM”, concluiu.

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário:

Marco disse...

Galera, uma baita injustiça.
Tomara que os dirigentes do nosso Glorioso Palmeiras nao desistão de levar o Palmeiras para o PALESTRA ITÁLIA, mas nao levar para aquele mato de São José.
Até porque o torcedor honrado, aquele que está fiel com o time no pior momento, vai ao estádio, e na hora de uma semifinal leva o jogo para fora de São Paulo.

Vamos acreditar galera e o verdãoo que ago VAIIIIIII !!!